sexta-feira, 24 de junho de 2011

2 poemas de Nauro Machado


A SENTENÇA


Ó solidão, minha mãe
em toda parte do corpo,
meu escaler sem esperança
no oceano dos naufrágios.

Só as árvores estão vivas
no meu espírito que é morto.
Ó sinos, pombas errantes
no bronze da eternidade!

Remai, tempo de amargura,
às praias sem amanhã.
Ó solidão, minha mãe,
medusa erguida sem pai.

*

SONETO 91


Por que me bates com teus sinos, plágios
de uma humana cruz, calvário torto,
tu, coração vazio de apanágios,
sem esperança de nenhum conforto?
(Meu coração é gaveta de naufrágios,
de esperanças puídas no alto porto,
onde singro, sagrando em meus sufrágios
de vertigens, um mar que é natimorto.)
Porque me falas e escrutar não posso
teu nome, grito que laboro e roço
na plantação maldita que me bate,
pudesse eu, pária do meu próprio mundo,
arrancar de mim teu ser, qual imundo
dente, coração, à ponta de alicate!


[Nauro Machado]

Nenhum comentário: